Logotipo do blog Bankera
Barra menu abre menu de navegação móvel
Logotipo do blog BankeraIR PARA O BANKERA
Procurar no blog Bankera

Taxa de intercâmbio Explicada

Quando uma loja ou outro comerciante aceita pagamentos em cartão, este habitualmente paga uma taxa ao adquirente, por exemplo, ao banco que fornece o terminal de ponto-de-venda gateway online necessários para aceitar pagamentos com cartão. Parte desta taxa volta para o emissor do cartão (banco ou outra instituição financeira). Esta parte paga ao emissor do cartão é conhecida como taxa de intercâmbio.

Para compreender melhor a lógica da taxa de intercâmbio, poderá facilitar conhecer todo o ciclo dos pagamentos de cartão. A maioria dos cartões opera em esquemas de quatro-partes (também conhecidos por esquemas de quatro cantos). A Visa e a Mastercard são os exemplos mais conhecidos de esquemas de quatro-partes. As quatro partes estão envolvidas neste esquema são um detentor do cartão (o pagador ou consumidor), um comerciante, um emissor e um adquirente.

Por exemplo, o Tom (o detentor do cartão) está a pagar 100 EUR na livraria  (o comerciante) através do seu cartão. A livraria paga um taxa de aquisição de 1.5 EUR (1.5%) ao banco adquirente (o que fornece a máquina ou software para aceitar pagamentos com cartão) e fica com 98.5 EUR. Depois, o banco adquirente fica com 0.5 EUR (0.5%) enquanto taxa de processamento e entrega 1 EUR (1%) de volta ao banco emissor do cartão enquanto taxa de intercâmbio.

 

Importa mencionar que  esquemas de três-parte também existem.  Nestes casos, a mesma entidade é emissor e adquirente dos cartões no mercado. Os pagamentos com cartão são, portanto, tratados internamente. 

 

As taxas de intercâmbio do exemplo são meramente ilustrativas, já que estas dependem da localização do emissor e do adquirente. Por exemplo, devido a regulação da União Europeia, as taxas de intercâmbio para cartões pessoais na União Europeia são mantidas a 0.2%-0.3%. Por seu turno, para cartões empresa, as taxas rondam 1.3% mas podem, em casos excecionais, atingir mais de 2%.

 

Alguns bancos mais desafiantes baseiam os seus modelos de negócio no fluxo de receitas das taxas de intercâmbio.  Outros emissores de cartão, por exemplo corretoras de criptomoeda, estão a dar a taxa de intercâmbio como cashback. Desta forma, estes incentivam os utilizadores a usar os seus cartões e serviços.

 

No Bankera decidimos doar parte da receita das taxas de intercâmbio de todas as transações de SEPA Instant e Cartões empresa Bankera para a resistência ucraniana. Pode ler mais sobre a nossa iniciativa no nosso artigo do blog aqui.

 

5 agosto, 2022

Logotipo do blog Bankera